Imagina que a tua parentalidade é uma casa. Visualiza que a mesma assenta sobre quatro pilares e um telhado. Cada pilar é um valor e cada tela do telhado é uma intenção… cabe-te a ti personalizares a tua casa, tornando-a no lar.

A Parentalidade Consciente convida-nos a reflectir sobre quais os valores basilares do teu lar. Não há valores certos nem errados. Há apenas lugar para a conexão contigo mesma, com o teu companheiro e com os teus filhos.

O que são Valores?

"Valor", no âmbito da Parentalidade Consciente, significa aquilo que valorizas e não prescindes na com os teus filhos e o teu companheiro e que, por sua vez, também lhes transmites como valores.

No fundo, encara os valores como o essencial numa relação, para manteres firmes e saudáveis os pilares da família. A tua família, a tua parentalidade, aquela com a qual te identificas!

Para te ajudar nesta reflexão, sugerimos quatro valores basilares. São eles:

Igual Valor

Ambos adulto e criança têm igual valor exactamente como são. Ambos são seres humanos sencientes. Quando sentem algo, não sentem de forma diminuída em relação ao outro. Sentem por inteiro!

Apesar da diferença de idade e vivências, ambos adulto e criança são equivalentes e têm o mesmo valor intrínseco. Existem diferenças entre o adulto e a criança ao nível das responsabilidades do primeiro sobre o segundo (económicos, sociais e psicológicos, etc.), Mas nunca no valor que cada um tem no seu papel, nas suas necessidades, nos seus limites, nas suas opiniões, nas suas sensações, emoções e sentimentos.

Praticar Igual Valor ≠ a criança faz sempre o que quer ou o adulto faz sempre o que quer.

Praticar Igual Valor = a criança é respeitada da mesma forma que o adulto.

O valor que sentimos ter numa relação, é essencial para desenvolver a auto-estima e a base de um relacionamento saudável. E é expresso através da nossa comunicação.

Integridade

Ao praticarmos Igual Valor, respeitamos a integridade de cada um. E isso é respeitar a integridade de cada um. Ou seja, tudo o que nos constitui como pessoa: necessidades e limites (físicas, psicológicas, emocionais); valores, pensamentos.

Ao respeitarmos a nossa integridade, aprendemos a saber-nos escutar e ensinamos Às crianças a saberem-se escutar, salvaguardando a auto-estima de cada um. E isto é importante para ganhar defesas sociais, para que nunca te percas por tentar agradar sempre aos outros! Eis algumas diferenças: Identidade pessoal Vs. Máscaras sociais. Sistema Imunitário Social Vs. Joguete da sociedade.

Ao aprendermos a respeitar a nossa integridade, aprendemos a respeitar a integridade dos outros. E ensinamos também, através do exemplo.

E como podemos exigir aos filhos que nos respeitem enquanto pais, se não dermos o exemplo de como os respeitar? Já tinhas pensado nisso?

Autenticidade

Ser honesto com o que sentimos, seja agradável ou desagradável, e sem julgar (tal como não gostaríamos de ser julgadas).

Mesmo que envolva medo e vulnerabilidade, atreve-te a assumir tanto os momentos de harmonia como os de conflito, pois todos eles são essenciais ao teu crescimento. Só com a autenticidade conseguimos manifestar necessidades, limites e o que é importante para nós.

Um obstáculo à Autenticidade é o desejo de sermos perfeitos perante os outros. Os aliados da Autenticidade são: uma comunicação consciente (comunicares na primeira pessoa do singular) e a prática destes valores;

Sermos mães e mulheres autênticas, é fazermos o melhor que sabemos com os recursos que temos disponíveis no momento. E confiar que tudo faz sentido.

Responsabilidade Pessoal

É permitir que, tanto os adulto como as crianças assumam as suas escolhas (acções, emoções, etc., adequadas à sua idade). Isto ajuda-nos a fazer escolhas tendo em conta o nosso ser (responsabilidade pessoal), ao invés de escolher de acordo com o que é esperado de nós (responsabilidade social), o que nos distancia da nossa essência.

Agora sugiro-te que reflictas: que responsabilidades podes permitir que os teus filhos assumam como pessoais? E que ajuda isso representaria para ti e para o teu dia-a-dia?

A estes valores, podes acrescentar tantos outros com os quais te identifiques e te façam sentido. Costuma acontecer estes quatro pilares serem tão abrangentes, que abrangem tantos outros valores com que te venhas a identificar.

O que são Intenções?

"Intenção" é uma vontade que admitimos como um projecto pessoal (intento, propósito, tenção ou desígnio). É aquilo que imprimimos em tudo o que nos propomos fazer. Uma intenção pode ter o seu retorno diferido no tempo. Por exemplo: “Educo com intenção do meu filho ser e se sentir feliz.”

Com intenções bem definidas, conseguimos mais facilmente avaliar o que é realmente importante no 'Agora', qual a atitude mais adequada e como agir nessa altura. São, no fundo, um ponto de reflexão e de partida para uma Parentalidade Consciente!

“As intenções funcionam como um guião ao qual podemos sempre voltar quando nos sentimos inseguros.” (Mikaela Övén)

Benvinda à Parentalidade Consciente!

Por não estamos habituados a esse processo de reflexão, pode ser desafiante reflectir sobre as nossas atitudes e os nossos comportamentos. Por oferecer toda uma nova abordagem, a Própria Parentalidade Consciente pode ser desafiante de entender. Mas, tal como já dizia Mikaela Oven, “praticar parentalidade consciente é mais sobre o desaprender do que aprender”.

E se precisares de apoio, estarei aqui para te dar a mãe nesta desafiante caminhada que é a Parentalidade.

Até breve?

Joana Madureira

Psicóloga da Educação, Facilitadora de Parentalidade Consciente

*A autora reserva-se no direito de escrever sem o acordo ortográfico